Total de visualizações de página

sábado, 1 de outubro de 2011

A soberania de Deus


Qual é o atributo de Deus que você mais gosta? Talvez muitos respondam que é o amor de Deus, ou a bondade de Deus, ou ainda a fidelidade de Deus. Spurgeon chegou a dizer, em um dos seus sermões, que se os homens pudessem, tirariam a soberania de Deus. Ele chega a dizer que os homens, de maneira geral, odeiam a soberania de Deus. Pode ser uma linguagem forte, principalmente nos tempos pós-modernos em que vivemos. Mas sou obrigado a concordar com ele. Quando entendemos realmente a soberania de Deus e suas implicações para a nossa vida, temos apenas duas saídas: ou aceitamos a soberania de Deus, ou vivemos como se ela não existisse.

Aqui em terras brasileiras, há líderes de igreja que repensaram a soberania de Deus e a descaracterizaram de tal modo, que transformaram a Deus em um ser muito parecido com os homens. E muitos vão argumentar que realmente Deus Se parece com as pessoas, principalmente porque Deus Se encarnou em Jesus Cristo e “habitou entre nós”. Contudo, “habitou entre nós cheio de graça e de verdade e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai.” (João 1:14 – grifos meus). Mesmo encarnado, Deus continua sendo Deus. E a soberania de Deus é, talvez, um dos atributos mais excelentes que Ele tem.

Pink diz que a soberania de Deus é o exercício de Sua supremacia. Ao mesmo tempo em que Deus é o mais elevado ser, Ele também é o único que é capaz de fazer tudo o que quer, sem ser impedido por nenhuma circunstância. Não há no mundo físico ou espiritual nenhum ser nem situação que impeça Deus de agir. Além de Ele fazer tudo o que Lhe apraz, tudo o que Ele faz é perfeito. Nunca é demais asseverar e reafirmar a soberania de Deus. Nada escapa dos Seus olhos, nada do que aconteça no mundo está alheio a Ele. Cada evento das nossas vidas foi conhecido e determinado por Deus (Salmo 139:16).

Mas de tanto enfatizar a soberania de Deus, onde fica a responsabilidade humana? Há espaço para a soberania de Deus e a responsabilidade humana? Sim. Da mesma maneira que a luz se comporta como uma onda e como um corpo; da mesma maneira que uma gelatina não é nem sólida nem líquida. Para Pink, “a responsabilidade humana baseia-se na soberania divina e desta é resultado”. Pelo que entendemos ao ler a Bíblia, vemos que alguns anjos foram criados com a possibilidade de perderem seu estado original de graça (Judas 6). Da mesma forma, Adão e Eva foram criados do mesmo modo. Se obedecessem a Deus continuariam a desfrutar da presença imediata de Deus. Se desobedecessem a Deus, eles morreriam e decairiam da graça tornando-se mortos espiritualmente. Quem influenciou a Deus a criar desse jeito? Absolutamente ninguém.

Eu não tenho dúvida nenhuma, apesar de não entender por completo, que Deus é absolutamente soberano e que nenhum evento acontece sem o Seu consentimento. O tsunami da Indonésia, as chuvas torrenciais no Rio de Janeiro, a fome na África, a morte de inocentes na queda das Torres Gêmeas, o sofrimento dos pobres em filas nos hospitais, o estupro de mulheres, a pedofilia, a gravidez indesejada de casais adolescentes; todos esses eventos estão no controle total de Deus. Ele não foi pego de surpresa, Ele sabia que esses eventos aconteceriam, Ele tinha poder suficiente para evitar todos esses eventos e não os evitou. Por quê?

Sinceramente não sei qual é a resposta para essa pergunta. Talvez seja para me ensinar a sofrer o sofrimento dos outros e não ficar indiferente repetindo a teologia da soberania de Deus. Talvez Deus permita isso para ensinar a Sua Igreja a se mobilizar e atender às necessidades das pessoas. A Igreja não pode se ausentar dos pobres e dos necessitados e ficar pregando a Jesus Cristo sem ver as mazelas das pessoas. O apóstolo Tiago nos adverte que nossa fé deve ser seguida de obras que justifiquem a presença dessa fé nas nossas vidas. Sem essas obras nossa fé é morta.

A soberania de Deus é um fato. Deus está assentado em Seu trono e ninguém vai tirá-lo de lá. Ele é soberano em todas as Suas determinações, quando entendemos e quando não as entendemos também. O fato de Deus ser soberano implica na nossa total rendição à Sua vontade que é “boa, perfeita e agradável”. Ainda assim somos responsáveis pelas nossas ações e responderemos por elas diante do Justo juiz.

Nenhum comentário: