Total de visualizações de página

domingo, 4 de abril de 2010

Evangélicos e judeus

Quem gosta de imitar, deve fazer bem feito. O João Alexandre tem uma posição muito clara a esse respeito. A maioria das igrejas evangélicas não tem o seu louvor usando ritmos brasileiros. Pelo contrário, diz ele. Quando copiamos, o fazemos com uma qualidade bem inferior ao original. Pelo que vejo atualmente, acabou o tempo dos xerox da Integrity Music, Ron Kenoly e Don Moen. Ainda que um ou outro grupo mantenha as versões feitas das músicas deles, esse movimento arrefeceu muito.

Depois veio o tempo da Hillsong e o “reinado” da Darlene Zsche. Talvez ela mesma não tenha tanta culpa assim, mas houve um tempo que ela e sua música estavam presentes em quase todos os cultos das igrejas brasileiras. Perdi a conta de quantas vezes toquei e cantei Aclame ao Senhor. E cada novo grupo que regravava essa música colocava seu toque especial: era o tom que aumentava igual à gravação original, ou aumentava no meio da repetição do coro, mudava uma palavra aqui, outra ali e... só dava Aclame ao Senhor nos cultos.

No meio disso tudo, começou uma onda de imitar os judeus em muitas das festas que eles ainda fazem hoje. Lembro-me de ficar encafifado – meu pai usava essa palavra – quando uma igreja do Paraná celebrou uma Festa dos Tabernáculos. Na época eu questionava onde estava essa festa na Bíblia, e onde estava a recomendação de celebrá-la. Mas essa influência judaizante não parou por aí. Mais e mais grupos foram surgindo em volta dessa prática e mais grupos já formados começaram a aderir a isso.

Depois foi um tal de gravar CD em Israel e muitos viajavam para a terra santa a fim de vivenciar um momento “mágico” em suas vidas. Então eram músicas com ritmos judaicos, temáticas judaicas e até o uso de instrumentos judaicos. Até aí nada contra. O problema é quando os evangélicos começaram a dar uma dimensão espiritual para o instrumento em si. E não só para o instrumento, mas também pra o ritual.

Alguns grupos evangélicos passaram a usar kipá, talit e a tocar o shofar em seus cultos. O ministério Casa de Davi e a igreja liderada pela “apóstola” Valnice Milhomens entraram de cabeça nisso, judaizando o culto a Deus. Passaram a dar um valor espiritual a essas coisas que a Bíblia não dá mais, uma vez que Jesus Cristo pôs um fim para a antiga relação do homem com a lei. E aquilo que nem os judeus fazem hoje nas suas sinagogas, os evangélicos passaram a fazer em seus cultos.

Só para se ter uma idéia, os judeus tocam o shofar apenas no mês que antecede o ano novo judaico, como uma prática para se lembrar dos atos que foram cometidos no ano que está acabando e fazendo alusão ao que acontecia nos tempos bíblicos. A kipá, também chamada de solidéu, é usada pelo judeu para ele se lembrar que Deus está acima dele. O talit (xale) é usado somente durante as rezas e tem a intenção de fazer o judeu se lembrar que ele tem que cumprir todos os mandamentos de Deus. Além disso, a sua colocação não deve ser feita de qualquer jeito. A maneira como ele deve ser colocado e guardado está toda descrito na literatura judaica. Será que os membros da Casa de David e da igreja da Valnice seguiram todos esses rituais. Pois, se é para copiar que se faça bem feito.

Hoje fiquei sabendo que na igreja do Robson Rodovalho eles comemoraram a Festa de Purim. Essa festa está relacionada com o livro de Ester. Nessa festa celebra-se os acontecimentos da vida de Ester e como ela atuou na sobrevivência do povo judeu. Mas o mais pitoresco (ridículo até!) é que a cópia é muito ruim. Primeiro, o pessoal da Sara Nossa Terra está mais de um mês atrasado – a festa foi comemorada pelos judeus em 26 de fevereiro e eles comemoraram apenas agora, dia 2 de abril. Além disso, se você observar as fotos, não há nenhuma fantasia, o que vai contra a tradição judaica. Chega a ser patética a cópia.

Eu não sei onde isso vai parar. Eu leciono no maior colégio judaico de São Paulo, a Nova Escola Judaica. Lá, as festas são celebradas, as comidas especiais são servidas, o shofar é tocado na época certa, os homens que rezam usam suas vestimentas, eles cantam e rezam em hebraico... tudo dentro da tradição. E o que é pior, os evangélicos se quer fazem parte disso, pelo contrário, muitos dos meus colegas se sentem ofendidos quando esses símbolos são usados pelos que não são judeus.

Eu gostaria muito que a Valnice, o Robson Rodovalho, o Mike Shea entre outros, fossem até o colégio conversar com os professores da área judaica. Eles aprenderiam muito sobre a tradição judaica, seus ritos e costumes. Certamente eles fariam a imitação bem mais adequada, se é que nós, evangélicos, precisam imitar os judeus em alguma coisa.

2 comentários:

JRRoveri disse...

Bem colocado Marcos ! Parece-me que constantemente tenho que ser lembrado disso - "O que eu sou?"
Nos esquecemos que uma única coisa é suficiente e capaz de nos satisfazer, a unica capaz de promover nossa salvação e suficiente para nos trazer à verdadeira vida Cristâ - e já está em nós - busque-mo-Lo.
Em Cristo - JRRoveri

Alexandre Pitante disse...

Paz,

Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus lhe continue abençoando poderosamente.

Estou seguindo o vosso blog.

Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

Siga-nos também.

Fica com Deus.
Um abraço, Alexandre Pitante.